5 dicas para ter um home office perfeito

Com bom senso e alguns cuidados, é possível trabalhar em casa com harmonia, concentração e bem-estar

Texto Giulia Esposito | Edição digital Ana Carolina Gabriel | Projeto: Iná Arquitetura | Projeto: Camila Valentini | Projeto: Cris Paola

 

Projeto Cris Paola

É fato que cada vez mais as pessoas têm trocado o ambiente corporativo por um escritório dentro de casa. Diante dessa demanda, preparamos dicas para você montar o seu home office priorizando o conforto, a saúde, a produtividade e a criatividade. Se for possível ainda incluir mimos – como máquina de café ou frigobar –, tudo vai ficar ainda mais convidativo.

1. Local
Se o home office for utilizado para reuniões, o ideal é dedicar um ambiente só para ele. No entanto, caso a casa não permita ou o silêncio não seja crucial, é possível criá-lo dentro da suíte ou do quarto de hóspedes, por exemplo. Mas isso se o uso dele for apenas durante o dia e os hóspedes não forem tão frequentes. Deve-se levar em conta também o espaço para acomodar todos os equipamentos – computador, impressora, telefone, livros, agendas, documentos, mostruários etc. Incluí-lo em uma sala de estar ou de TV pode gerar inconvenientes que vão além da desconcentração causada pelo barulho da TV ou das crianças brincando. “É fundamental que a casa tenha um espaço para o relaxamento e a descompressão, e, geralmente, são essas salas. Quando elas têm o trabalho como agregado, é mais difícil fazer uso pleno da função lazer”, explica a arquiteta Camila Moreno Vasconcellos, do Studio M Arquitetura.

2. Cadeira e mesa
Para evitar problemas na coluna, dores na vista e fadiga muscular, a cadeira deve ter regulagem. “Braços e mãos na altura da mesa, pés totalmente em contato com o chão, cotovelos e joelhos dobrados a 90º e encosto bem encaixado na lombar”, ensina a arquiteta Ana Mahler. As profissionais do escritório Inside Arquitetura destacam a cadeira giratória operacional, pontuada pela norma NBR 13962-2006 e baseada num uso de 8h por dia por pessoas de até 110 kg e entre 1,51 e 1,92 m de altura. Elas recomendam estofados com espuma de alta densidade, que acomodam bem o corpo. Tecidos como couro e algodão são muito duráveis. A mesa deve estar entre 70 e 75 cm em relação ao piso e o ideal é que seja feita com materiais poucos rugosos para evitar acúmulo de sujeira. “O monitor deve ser posicionado de modo que a cabeça fique ereta e os olhos, no meio da tela do computador”, orienta o arquiteto da Telhanorte, César Augusto Pasquini.

 

Projeto Camila Valentini

 

Projeto Iná Arquitetura

3. Organização
Gavetas de pastas suspensas ou armários aéreos organizam documentos sem deixá-los expostos. Nos móveis abertos opte por livros e elementos que não interfiram na estética do espaço. Um quadro de avisos também facilita a rotina. Não se esqueça de cabos e fios. “Você pode prendê-los na parede, condicioná-los numa gaveta oculta ou fixá-los em um compartimento atrás da mesa, na lateral ou atrás dos pés da bancada”, ensina Elaine Fonseca. Também é possível utilizar canaletas, normalmente feitas de PVC ou material plástico bem flexível, rodapés ou rodatetos, que, ainda, facilitam a limpeza. As canaletas podem ser fixadas com braçadeiras diretamente no móvel ou na parede, logo atrás da bancada.

4.  Iluminação e ventilação
É ideal que a janela fique atrás do monitor e a mesa, perpendicular a ela, para evitar reflexos e aproveitar a luz natural, mas vale lembrar que ela não é suficiente. “O ideal é a combiná-la à luz de tarefa, com luminárias especiais para leitura e outras atividades de trabalho. Posicione LEDs focais acima da mesa de trabalho, nem muito para trás, a ponto de perder o fluxo luminoso, nem
muito para a frente, causando ofuscamento da visão”, orienta a light designer Mariana Lorenzato, da Simply Led.

Lâmpadas frias estimulam a criatividade e as quentes trazem aconchego. “O tom branco neutro (4000k) é ideal para favorecer a concentração, sem deixar o ambiente frio demais”, garante a arquiteta Camila Valentini. Cortinas, brises, cobogós e persianas ajudam a controlar a intensidade da luz e a preservar equipamentos e móveis. O ambiente de trabalho deve ser fresco, com temperatura entre 23 e 25º. Opte pelo ar-condicionado quente/frio, já que ventiladores podem causar confusão nos papéis.

5. Conforto
Segundo o arquiteto Daniel Lanzeloti, a cor está ligada à produtividade. “O branco proporciona amplitude e claridade. Cores vivas, como o amarelo, o vermelho e o laranja, também são interessantes para trazer energia e calor, desde que não estejam em excesso”, alerta. A arquiteta Elaine Fonseca sugere o uso do verde, que ajuda na concentração e no equilíbrio. “Você pode utilizá-lo no melamínico da mesa de trabalho, numa das paredes, de preferência, a que fica em frente à mesa, ou em objetos de fácil visualização”, indica.O piso também merece atenção. “Mármores, granitos, porcelanatos e cerâmicas são vantajosos no verão, pois proporcionam melhor sensação térmica. No entanto, tornam-se desconfortáveis no inverno. Por isso, pisos de madeira, laminados e vinílicos são mais indicados”, complementa Daniel.

 

Revista Casa & Construção Ed. 130