Dicas para cobrir muros e pilares com plantas trepadeiras

Texto: Renata Ramos

Cobrir muros, pilares e pérgolas, entre outras estruturas, com plantas trepadeiras deixa os projetos paisagísticos mais bonitos e coloridos. Veja algumas dicas! 😉

Dicas para cobrir muros e pilares com plantas trepadeiras

Ideal para cultivo em locais ensolarados ou à meia-sombra a trepadeira falsa-vinha é indicada para regiões de altitude elevada ou com inverno mais rigoroso. Semelhante às da uva, suas folhas caem no inverno e ficam avermelhadas ou roxas no outono.

Elas estão sobre treliças, portões, paredes, pergolados, troncos de árvores, cercas e alegram o jardim com as cores e a beleza de suas flores e folhagens. É por isso que as trepadeiras são ótimas opções para dar mais vida ao paisagismo, compondo pequenas e grandes áreas verdes. A espécie também protege o solo da erosão, reduz o calor, oferece isolamento, permitindo maior intimidade no espaço, e disfarça postes, ferragens e telas utilizadas como estrutura de apoio para os jardins.

“O uso das trepadeiras é extremamente versátil: pode funcionar como um simples elemento decorativo ou fazer composições incríveis com treliças, arcos, pérgolas e muros, oferecendo beleza a vários estilos de projetos”, ressalta a paisagista Paula Magaldi.

Segundo Paula Magaldi, as trepadeiras são atemporais, uma tendência eterna. Afinal, oferecem um lindo efeito a vários estilos de jardim, sem grandes custos e cuidados com a manutenção.

Dicas para cobrir muros e pilares com plantas trepadeiras

AS GAVINHAS RAMIFICADAS E PEGAJOSAS da falsa-vinha aderem com facilidade e firmeza em paredes ou outras plantas. 😉

Para tornar a entrada de serviço mais bonita e agradável, Daniela Sedo cobriu o muro de 7 m com tumbérgias, já que no local não existia um canteiro para abrigá-las. Junto à trepadeira há também buxinho-bola e bambu de tronco preto.

Dicas para cobrir muros e pilares com plantas trepadeiras

Essas verdadeiras cortinas naturais também se destacam por serem soluções econômicas: “O valor de uma muda, que pode chegar a 1 m de altura, varia de R$ 12 a R$ 15 na CEAGESP, com exceção da jade (Strongylodon macrobotrys), que custa de R$ 60 a R$ 80 e alcança 1,5 m”, conta a paisagista Daniela Sedo.

Porém, é preciso ter paciência para conferir um belo efeito, pois as trepadeiras demoram anos para crescer. Em média, levam até dois para cobrir toda a superfície pretendida. Há espécies, como a jade, que precisam de quase dez anos para atingir a altura máxima.

Variedade de espécies

Por sua tropicalidade, o Brasil conta com muitas opções de trepadeiras. Espécies como ipomeia (Ipomoea), tumbérgia (Thunbergia), unha-de-gato (Uncaria tomentosa) e jasmim (Jasminum) crescem com facilidade e, portanto, devem ser podadas periodicamente.

As primaveras (Bougainvillea sp) necessitam de sol pleno para terem muitas flores, e a sapatinho-de-judia (Thunbergia mysorensis), de boa umidade. “Ambas ficam enormes e precisam de espaço para crescer. Ao contrário da ipomeia e da lágrima-de-cristo (Clerodendron thomsonae), que se adaptam em pequenos jardins”, informa Paula.

Entre as trepadeiras mais usadas estão também a falsa-vinha (Parthenocissus tricuspidata), a hera (Hedera helix) e a madressilva (Lonicera japonica), que possuem crescimento mais lento. “A maioria das trepadeiras embeleza o jardim com o seu colorido. Ipomeia têm flores vermelhas, tumbérgias, rosa ou liláses, e jasmins, brancas. A falsa-vinha só apresenta folhagens, mas, no outono, elas crescem exuberantes, na cor vinho”, comenta Daniela. Vale destacar ainda que as tumbérgias são usadas nos dois planos: vertical, em muros, ou horizontal, sobre pérgolas. As ipomeia, por sua vez, suportam clima mais frio, mas podem perder parte das folhas.

Como cultivar

As trepadeiras, geralmente, são pouco exigentes com relação ao solo, mas preferem terrenos adubados. “Para que deem muitas flores, use substrato orgânico no solo para não faltar nutrientes. A irrigação deve ser feita um dia sim, outro não. Em períodos muito frios, três vezes por semana, e no calor forte regue todos os dias”, ensina Paula.

O plantio é feito em covas generosas, preferencialmente em locais de plena luminosidade. “A exposição ao sol e a umidade são condições essenciais para o seu bom desenvolvimento. E não é preciso comprar muitas mudas, basta posicioná- las em locais estratégicos e usar a poda para encaminhá-las e causar o efeito esperado”, completa a paisagista.

Raramente as raízes se aprofundam no solo; elas tendem a se esparramar em torno do tronco, não provocando problemas em tubulações. “No entanto, antes de optar por uma espécie, é importante conhecê- la. A unha-de-gato, por exemplo, tem raízes grandes e agressivas, que podem danificar um muro”, alerta Daniela.

“Cuidado também com os insetos e pragas. Invista no tratamento fitossanitário preventivo, que utiliza elementos naturais que não danificam a vegetação, mas a deixam longe de doenças e agentes nocivos”, recomenda Paula. O mais indicado é que esses defensivos sejam aplicados mensalmente, pois a água da chuva pode retirá-los.

Dicas para cobrir muros e pilares com plantas trepadeirasNa entrada desta resistência, a trepadeira unha-de-gato recebe moradores e visitantes, dando mais vida ao projeto. Para compor o paisagismo da fachada, Paula Magaldi usou também arbustos de buxinho, árvores caesura e forração de grama-amendoim.

A falsa-vinha é uma ótima opção para revestir muros e paredes, afinal, mesmo com o seu crescimento contínuo, exige menos cuidados com as podas. É muitas vezes recomendada para substituir a unha-de-gato, que pode danificar os muros.

Dicas para cobrir muros e pilares com plantas trepadeiras

Trepadeiras em varanda

Para usá-las nesse ambiente, é preciso fazer a escolha certa para obter o visual desejado. “Como a tendência é que elas cresçam em direção ao sol, muitas vezes, para a vista interna do apartamento podem sobrar apenas os galhos”, avisa Daniela.

Como as trepadeiras possuem caules compridos e frágeis, que precisam de um apoio ou suporte para crescer, nesse espaço use recursos como telas, treliças, arames, arcos etc. E, para que a planta não se torne um emaranhado de galhos, pode com bastante frequência.

Em varandas, uma das espécies indicadas é a madressilva, com suas delicadas flores perfumadas.

Revista Casa & Construção – Ed. 75

Quer mais opções de paisagismo? Então, corra já para as bancas ou garanta a sua revista Casa & Construção pelo site!