Projeto de jardinagem deixa fazenda exuberante

A natureza e as intervenções do projeto estão em perfeita harmonia. Tudo foi planejado para despertar os sentidos dos moradores em um local de lazer e contemplação

Texto Renata Ramos | Fotos Renato Elkis | Edição digital Ana Carolina Gabriel

 

NESTA ÁREA DA FACHADA, vasos cerâmicos com azaleias-bola (Rhododendron simsii), à frente, se misturam com vasos de laranja (Citrus sinensis). Do lado direito, há ainda moreia (Dietes bicolor).

 

Localizada em Campinas, no interior de São Paulo, esta fazenda abrigava um verde exuberante. Em sua extensão, a vegetação típica da Mata Atlântica, um grande bosque de jabuticabeiras centenárias, além de uma abrangente vista para o lago criavam um belo cenário. Assim, ao paisagista Gilberto Elkis foi dada a missão de harmonizar novas intervenções com os elementos
naturais e a arquitetura da residência. Elkis ainda foi procurado pelos proprietários para revitalizar alguns espaços externos. Para isso, estudou as condições do local, assim como as preferências dos moradores, para definir o planejamento adequado – levando em consideração detalhes minuciosos, como a manutenção. O trabalho contou com inspiração europeia, e transformou a área externa em um jardim que emoldura a construção e permite a integração plena entre os espaços. “Para este projeto, busquei evidenciar a liberdade natural do jardim, em que as plantas adquirem volumes e formas diversas espontaneamente”, conta o paisagista.

Para Elkis, as plantas são sensitivas, e o segredo de planejar um belo jardim é atingir os cinco sentidos, ou seja, ter um visual bonito, cheiro gostoso, barulho agradável, folhas para pegar e ainda espécies que gerem frutos saborosos. “E foi isso que também fiz questão de oferecer a esses usuários”, completa.

 

ESTE ESPELHO-D’ÁGUA arredondado segue a mesma linguagem das outras áreas do projeto. Ele também recebeu um contorno de viburno (Viburnum suspensum) e vasos cerâmicos de buxo-bola (Buxus sempervirens).

 

A FACHADA DA FAZENDA abriga uma grande diversidade de espécies. Há murtas (Murraya paniculata) e vasos com roseiras (Rosa Sp) próximo ao muro. Nas laterais do caminho, vegetação rasteira com lavandas (Lavandula angustifólia), além de magnólias (Magnolia soulangeana).

Diversidade em sintonia
Na fazenda, as árvores de grande porte foram mantidas e o trabalho privilegiou a implantação do paisagismo nos caminhos de acesso às áreas de estar e lazer. O espaço, que possui três construções – a casa principal, a extensão dos hóspedes e a área de lazer –, recebeu interligações exatas por meio de trajetos bem delineados, com plantas e flores, o que conferiu uma plasticidade técnica e bela a todo o exterior. “Para a área de lazer, projetada para o convívio familiar e um dos principais atrativos da fazenda, reservei pequenos vasos de plantas próximo à piscina, ressaltando, com o contraste, a magnitude das grandes árvores nos arredores”, explica Elkis. O jardim é repleto de cenas que evidenciam, de forma harmoniosa, todas as qualidades oferecidas pela Mãe Natureza. “A solução auxiliou no equilíbrio do ecossistema do local e proporcionou aos moradores mais qualidade de vida”, afirma o paisagista.

No projeto, merecem destaque também os pátios com vasos terracota, buxinhos podados e muitos gerânios, que remetem aos tradicionais pátios italianos. Elkis conta ainda que os caminhos em concreto receberam desníveis para conduzir a diferentes jardins de variados visuais. “Todo o projeto tem um pensamento, um conceito paisagístico por trás. Dessa vez, a tarefa de criar uma vegetação totalmente em harmonia com o verde já existente foi cumprida, oferecendo aos usuários muitas áreas de descanso e contemplação”, finaliza.

Revista Casa & Construção Ed. 130