Você sabe onde e como usar pastilhas? Confira!

Elas podem ser inseridas tanto em áreas internas, como cozinhas e banheiros, quanto externas, como piscinas e churrasqueiras. Saiba mais

Texto Davi Vieira | Foto divulgação/Via Cor Revestimentos | Projeto Crisa Santos

As pastilhas tornaram- se curingas – já que podem ser inseridas tanto em áreas internas, como cozinhas e banheiros, quanto externas, como piscinas e churrasqueiras. Ao longo dos anos, o mercado cresceu e a tecnologia empregada na confecção delas evoluiu, assim como as possibilidades de materiais. Em contrapartida, com toda essa variedade, surgiram dúvidas, entre elas
como e quais podem ser aplicadas em cada lugar, por exemplo. Para saná-las, a Casa & construção convocou camila Lamberti, gerente do produto do Grupo Fragnani (marcas Incefra, tecnogres e Incenor), e Gabriella Estellita, gerente comercial da Via cor revestimentos.

Tipos de pastilhas

A leitora Fernanda Martinez comentou em nosso Facebook que só conhecia os modelos de vidro e de cerâmica – que, de fato, são os mais comuns. Mas hoje o mercado oferece muitos tipos:
vidro, porcelanato, cerâmica, resina, plástico, alumínio, madeira, pedras naturais etc. As diferenças,além do material, estão na forma de aplicação, na manutenção e na limpeza.

Quantidade ideal

Glória Fontes comprou uma quantidade que acreditava ser suficiente para cobrir seu lavabo, mas faltaram peças. Camila explica que a conta para não errar na hora da compra é bem simples. Basta medir a área total (base x altura) e descontar os vãos das janelas e portas, caso haja. outra dica é sempre deixar uma sobra de 5 a 10% para uma eventual necessidade.
Onde colocar?

Lugar certo o internauta caio Prestes explica que não consegue saber qual é o ambiente ideal para cada tipo do revestimento. A Via cor revestimentos explica que, para ambientes molhados, o ideal é optar por pastilhas de baixa absorção de água, como, por exemplo, porcelana ou vidro. Já materiais como pedra e alumínio são indicados para ambientes secos, já que podem ser danificados se molhados.

Comprar uma pastilha errada pode ser uma dor de cabeça. Pedro Soares adora o efeito das pastilhas no piso, mas não sabe se é uma boa opção. Apesar de elas serem mais adequadas para paredes, é possível aplicá-las no piso, sim. No entanto, Camila Lamberti adverte que nesse caso deve-se evitar os modelos muito lisos, já que são escorregadios e podem causar acidentes. Além disso, as pastilhas não são tão resistentes à tração, por isso podem se soltar com mais facilidade no chão. Gabriella Estellita lembra que existe também, para os modelos cerâmicos e de porcelana, uma classificação chamada de PEI (Porcelain Enamel Institute), que indica o local e condições de cada material. Para os outros modelos, por exemplo, vale atenção.

Por serem orgânicas, é melhor deixar as de coco e de madeira só para paredes mesmo. Vidro e aço inox costumam riscar mais, então, se fizer muita questão, só se forem ambientes de baixo tráfego (pouca passagem). O rejunte também é um bom aliado para evitar escorregões. Em geral, as pastilhas de materiais não orgânicos possuem juntas de 1 a 3 mm, criando linhas um pouco mais ásperas e menos derrapantes. O internauta Cássio Vieira está reformando e gostaria de indicações. Camila diz que o ideal é apostar nas pastilhas coloridas e alegres, indicadas para cozinha, banheiro, lavabo, espaço gourmet, cabeceira da cama, ducha de piscinas e onde mais a imaginação levar. Porém, para não correr risco de errar, evite o uso de modelos coloridos em todo o ambiente, já que o local ficará carregado e visualmente poluído. Prefira faixas, detalhes e entornos.

 

Limpeza correta
Giovanna Soares tem receio do trabalho na hora de limpar. De acordo com Gabriella,  três produtos são suficientes: água, sabão ou detergente neutro e uma esponja. Produtos químicos com média
e alta concentração devem ser evitados. Já as palhas de aço são proibidas, afinal podem riscar e danificar o revestimento.

Revista Casa & Construção Ed. 130